Veja como funciona o HIIT na prática
24/08

RSB_HOME

alt

Na segunda parte sobre o HIIT (clique aqui para ler a primeira), vamos falar sobre como funciona na prática o treinamento.

Em resumo é o seguinte: é preciso estabelecer uma relação entre frequência e intensidade. Por isso, o mínimo necessário para ele ter resultado é, por exemplo, correr 20 minutos variando a frequência cardiaca entre 60% a 90%. Deixando bem claro que, quanto menor o tempo maior a intensidade.

Se uma pessoa corre uma hora num ritmo contínuo, ela vai manter sua frequência em, digamos, 60% da capacidade. Se diminuirmos este tempo para 25 minutos, teremos de elevar essa frequência para 90% para conseguir algum resultado. Por isso é importante ter em mente essa relação de tempo e intensidade, e sempre fazer essa regulação.

Em relação ao gasto energético, quanto maior a intensidade maior a quebra de homeostase, que é a regulagem interna do corpo. Uma pessoa talvez não consiga manter um ritmo de 13 km/h em uma hora de corrida, por exemplo, porque vai ser muito intenso. Então o ideal é colocar esta mesma velocidade em tiros de quatro minutos, com dois minutos de descanso num ritmo bem lento. Essa recuperação em carga baixa, ajuda o organismo a voltar com o máximo de intensidade no próximo tiro.

Outro exemplo é alguém na esteira ou na bicicleta. Se considerarmos um tempo total de 30 minutos de prática, é possível fazer um tiro de 30 segundos super intenso e descasar em média três minutos num ritmo mais lento. Depois volta com força total por 30 segundos e assim por diante. Dentro deste esquema, serão mais ou menos oito tiros em 30 minutos, contando uns cinco minutos de aquecimento no início e mais um pouco de finalização. Esta série tem um ótimo resultado se feita da maneira correta e orientada.

É importante sempre reforçar: o HIIT é um treino extremamente forte, quando as pessoas estão ali dando realmente o máximo que podem. Por isso é fundamental respeitar os períodos de descanso e de intensidade, porque em alguns casos, dois segundos a mais, podem fazer com que a pessoa caia da esteira, por exemplo.

Na Trainer a orientação é sempre neste sentido: nossos coordenadores e instrutores explicam que o HIIT é um método super intenso e curto, mas que não adianta nada se o aluno não respeitar os períodos certos para cada etapa.

E também não é uma coisa tão simples quanto parece, por esse motivo é que a sugestão é fazer o HIIT no máximo três vezes por semana, porque do contrário aumenta muito o risco de lesão. Nenhum método é perfeito e justamente por esse motivo precisam ser utilizados de forma consciente. Se a pessoa treinar só HIIT, ou só contínuo, os resultados vão ficar estáveis tanto para um quanto para outro, porque o organismo se adapta àquilo.

O ideal é sempre combinar métodos diferentes para conquistar mais resultados. Não existe método milagroso! Sem contar que os hábitos de cada um também precisam ser repensados: você está se alimentando direito? Dormindo direito? Descansando? Tudo isso tem um impacto significativo nos resultados.

Caso real
Uma aluna aqui da Trainer sempre treinou de forma contínua, tinha uma ótima alimentação e frequência de treinos. No entanto, ela corria seis dias por semana basicamente a mesma distância no mesmo tempo. Expliquei que seria importante intervalar o treino, porque o organismo já estava viciado. Num primeiro momento ela desconficou, porque teria de diminuir o ritmo que estava acostumada, contudo, aumentamos a intensidade dentro deste período de tempo menor.

Fomos aumentando o treino gradativamente e variando tempos e intensidades. Depois de quatro semanas, ela perdeu dois quilos de gordura e melhorou o tempo de 10 quilômetros em quase 10 minutos.

Neste caso, como a pessoa já treinava muito e tinha um ótimo condicionamento, deu super certo somente com esta adaptação e a mudança de alguns hábitos.

Moral da história: saia da rotina e aceite a orientação de bons profissionais.


Deixe seu comentário

1000 RSC_CHARS_LEFT

Antispam RSC_REFRESH_CAPTCHA RSC_CAPTCHA_CASE_INSENSITIVE

Facebook
Instagram