DIMINUA OS RISCOS RELACIONADOS AO TREINAMENTO DE ALTA INTENSIDADE
07/03

RSB_HOME

O caso do praticante de crossfit que morreu no início de março após uma sessão de atividades físicas em um box de Brasília deu um alerta em relação aos treinos de alta intensidade.

De acordo com o Colégio Americano de Medicina do Esporte, há uma morte a cada 137 mil casos de pessoas que fazem atividades físicas, ou seja, o índice é muito baixo. A ocorrência em Brasília pode ter sido uma fatalidade, porém, todos nós, alunos e professores, precisamos prestar atenção a alguns sinais e práticas para diminuir os riscos nos treinos de alta intensidade.

A ciência tem comprovado que a intensidade dos exercícios resulta em vários benefícios em comparação aos exercícios de intensidade moderada. Em um treino intenso de 30 minutos o estresse no sistema cardiorrespiratório e a inserção de adrenalina são tão grandes que os benefícios são tão bons ou mais do que os da prática de atividades moderadas em uma hora.

Como grande parte das pessoas busca resultados mais rápidos num tempo cada vez maior, novos métodos de treinamento de alta intensidade estão surgindo, atendendo às necessidade deste público.

No entanto, quem quer praticar este tipo de treino não pode se esquecer de alguns cuidados essenciais para diminuir os riscos de lesões e paradas cardiorrespiratórias, além de garantir a eficiência do treino.

O professor Marcos Pudo, mestre em fisiologia do exercício e proprietário da Trainer, conta nesta semana como praticar o treinamento de alta intensidade sem receios e com muita segurança.

Professor é fundamental
Nem todas as pessoas podem fazer um treino de alta intensidade, como o HITT ou o crossfit, exatamente como ele é, mas é preciso manter os princípios metodológicos do tipo de treino adotado. Neste sentido, o posicionamento do professor é muito importante. Quanto mais intenso for o exercício, maior a importância do profissional ao lado do aluno.

É o professor de educação física que vai controlar as variáveis mais importantes para garantir eficiência e segurança no HIIT, ou seja, a relação entre volume e intensidade de treino.

O HIIT é um método de treinamento que dura em média 25 minutos. Nesse período de tempo, o aluno treina com grande intensidade, utilizando de 90% a 100% da sua frequência cardíaca máxima ou de 90% a 100% do seu VO2 máximo. Para manter a intensidade ampla, o aluno alterna os exercícios e treina as series em períodos de menor frequência.

Porém, tem muita gente treinando com alta intensidade todos os dias, o que é prejudicial. Uma coisa é treinar musculação com alta intensidade todos os dias, porque a cada dia você alterna os grupos musculares ou os segmentos corporais que estão sendo estimulados. Porém, em treinos funcionais ou de natação de alta intensidade diários será cobrada uma execução repetitiva de um padrão de movimento todos os dias, o que provoca uma sobrecarga.

O raciocínio é o seguinte: se eu treino seis vezes por semana com alta intensidade a musculação, já que eu vario os grupos musculares, no HIIT eu treino no máximo três vezes por semana. Essa relação entre o volume e a intensidade é muito importante. E quem observa essa relação é o professor.

Em época de academias low cost, há muitas pessoas que acham que, se não há um professor para orientar, então é porque não há riscos, o que não é verdade. O educador físico é o facilitador, que vai mostrar as vantagens de cada tipo de treino e orientar o aluno, mas ele também é o limitador, para garantir a segurança e interromper o aluno quando ele estiver chegando ao seu limite.

Preste atenção à adaptação
Outro fator que aumenta o risco dos treinos de alta intensidade é o aluno não adaptado tentar fazer o método todo. Só pessoas adaptadas estão aptas a fazer o HITT. Um bom profissional de educação física não vai deixar um sedentário fazer uma aula de 25 minutos em alta intensidade, pois ele sabe que em menos de cinco minutos o aluno sedentário vai parar o treino por falta de capacidade cardiorrespiratória ou por fadiga no músculo, ou seja, ele não vai executar o treino como deve e sua saúde correrá riscos.

Nestes casos, como não podemos alterar a intensidade de um HITT, o ideal é controlar o volume. Por exemplo, em um treino de corrida, em vez de dar oito tiros de 30 segundos por 2,5 minutos de intervalo – o que dará 24 minutos de treino – o aluno não adaptado pode dar somente dois tiros na primeira vez. O controle do volume de treino será feito pelo professor, acrescentando um minuto ao estresse metabólico e cardiovascular do aluno a cada treino, até chegar aos 24 minutos do HITT.

O problema não é o método. O profissional de educação física tem de estar muito atento ao aluno e quem vai praticar a atividade precisa de uma boa academia onde variáveis de intensidade e volume serão controladas.

Moral da história: treinar é importante, com intensidade é determinante, mas tudo tem um limite.


Deixe seu comentário

1000 RSC_CHARS_LEFT

Antispam RSC_REFRESH_CAPTCHA RSC_CAPTCHA_CASE_INSENSITIVE

Facebook
Instagram